Como vai, Forasteiro?!

Parece que você é novo por este pedaço. Se você quer se envolver, clique em algum destes botões!

In this Discussion

Atualize e confirme o seu email para poder receber notificações e outras informações do fórum.

A rencarnação pesquisada cientificamente

JohnnyJohnny Membro
edited maio 2013 em Religião É Veneno
Em uma das mais prestigiosas universidades públicas dos Estados Unidos, a Universidade de Virgínia, pesquisadores da área de saúde mental dedicam-se há décadas a desafiar os céticos. Ali são estudados, entre outros casos que ultrapassam os contornos da ciência convencional, relatos sobre reencarnação, muitos deles submetidos à checagem. Resultados conclusivos não há, mas eles são, no mínimo, intrigantes. À frente da Divisão de Estudos da Personalidade está o mais famoso pesquisador sobre o assunto, o já octogenário Ian Stevenson. Seus livros e textos em publicações científicas descrevem casos de crianças que se recordariam de vidas passadas e de pessoas com marcas de nascença que teriam sido originadas por cicatrizes de existências anteriores.

Stevenson e sua equipe avaliam casos de reencarnação da forma que consideram a mais acurada possível. Fazem entrevistas, confrontam a versão narrada com documentações, comparam descrições com fatos que só familiares da pessoa morta poderiam saber. Por tudo isso, ele se tornou um dos maiores responsáveis por ajudar a deslocar – ainda que apenas um pouco – o conceito de reencarnação do campo da fé e do misticismo para o campo da ciência.

Mas o que leva esse renomado médico, com mais de 60 anos de carreira, e tantos outros pesquisadores a encararem a reencarnação como uma hipótese válida?

Bem, são histórias como, por exemplo, a de Swarnlata Mishra, uma menina nascida em 1948 de uma rica família da Índia e que se tornou protagonista de um dos casos clássicos – digamos assim – da literatura médica sobre vidas passadas. A história é descrita em um dos livros de Stevenson, Twenty Cases Suggestive of Reincarnation (“Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação”, sem versão brasileira), e se assemelha a outros registrados pelo mundo sobre lembranças reveladoras ocorridas, principalmente, na infância. Mas, ao contrário da maioria, não está relacionado a mortes violentas, confrontos ou traumas.

A história de Swarnlata é simples. Aos 3 anos de idade, viajava com seu pai quando, de repente, apontou uma estrada que levava à cidade de Katni e pediu ao motorista que seguisse por ela até onde estava o que chamou de “minha casa”. Lá, disse, poderiam tomar uma xícara de chá. Katni está localizada a mais de 160 quilômetros da cidade da menina, Pradesh. Logo em seguida, Swarnlata começou a descrever uma série de detalhes sobre sua suposta vida em Katni. Disse que lá seu nome fora Biya Pathak e que tivera dois filhos. Deu detalhes da casa e a localizou no distrito de Zhurkutia. O pai da menina passou a anotar as “memórias” da filha.

Recordações de mãe

Sete anos depois, em 1959, ao ouvir esses relatos, um pesquisador de fenômenos paranormais, o indiano Sri H. N. Banerjee, visitou Katni. Pegou as anotações do pai de Swarnlata e as usou como guia para entrevistar a família Pathak. Tudo o que a menina havia falado sobre Biya (morta em 1939) batia. Até então, nenhuma das duas famílias havia ouvido falar uma da outra.

Naquele mesmo ano, o viúvo de Biya, um de seus filhos e seu irmão mais velho viajaram para a cidade de Chhatarpur, onde Swarnlata morava. Chegaram sem avisar. E, sem revelar suas identidades ou intenções aos moradores da cidade, pediram que nove deles os acompanhassem à casa dos Mishra. Stevenson relata que, imediatamente, a menina reconheceu e pronunciou os nomes dos três visitantes. Ao “irmão”, chamou pelo apelido.

Semanas depois, seu pai a levou para Katni para a casa onde ela dizia ter vivido e morrido. Swarnlata, conta Stevenson, tratou pelo nome cada um dos presentes, parentes e amigos da família. Lembrou-se de episódios domésticos e tratou os filhos de Biya (então na faixa dos 30 anos) com a intimidade de mãe. Swarnlata tinha apenas 11 anos.

As duas famílias se aproximaram e passaram a trocar visitas – aceitando o caso como reencarnação. O próprio Stevenson testemunhou um desses encontros, em 1961. Ao contrário de muitos casos de memórias relatadas como de vidas passadas, as da menina continuaram acompanhando-a na fase adulta – quando Swarnlata já estava casada e formada em Botânica.

Assim como esse, há milhares de outros episódios intrigantes, alguns mais e outros menos verificáveis. Somente na Universidade da Virgínia há registros de mais de 2500 casos desse gênero. Acontece que, para a ciência, a ocorrência de casos isolados, ainda que numerosos, não prova nada. Os céticos atribuem essas histórias a fraudes, coincidências ou auto-induções às vezes bem intencionadas.

Mas, embora a ciência duvide da reencarnação, a humanidade convive com a crença nela faz tempo. De acordo com algumas versões, o conceito de reencarnação chegou ao Ocidente pelas mãos do matemático grego Pitágoras. Durante uma viagem que fizera ao Egito, ele teria ouvido diversas histórias e assistido a cerimônias em que espíritos afirmavam que vinham mais de uma vez à Terra, em corpos humanos ou de animais. O mesmo conceito – com variações aqui e ali – marcou religiões orientais, como o bramanismo e o hinduísmo (e, mais tarde, o budismo), e também religiões africanas e de povos indígenas, segundo Fernando Altmeier, professor de Teologia da PUC de São Paulo. Na verdade, “a reencarnação nasce quase ao mesmo tempo que a idéia religiosa tanto no Ocidente quanto no Oriente, com os egípcios, os gregos, os africanos e os indígenas”, diz Altmeier. A idéia, porém, não deixou traços – pelo menos não com a mesma força – nas três religiões surgidas de Abraão: o judaísmo, o cristianismo e o islamismo.

No século 19, o francês Hippolyte Leon Denizard Rivail – ou Allan Kardec – e outros estudiosos dedicaram-se a um tema então em voga na Europa: os fenômenos das mesas giratórias, em que os sensitivos alegavam que espíritos se manifestavam com o mundo dos vivos. Kardec escreveu uma série de livros sobre as experiências mediúnicas que observou e, tendo como base a idéia da reencarnação, fundou a doutrina espírita. Para os espíritas, reencarnação é um ponto pacífico. Mas muitos deles preferem dar crédito a relatos embasados no cientificismo. “Dirijo a área de assistência espiritual na Federação Espírita do Estado de São Paulo, por onde passam 200 mil pessoas por mês, mas, no que diz respeito à fenomenologia, sou mais pé no chão, sou muito rigoroso”, afirma o advogado Wlademir Lisso, de 58 anos.

Terapias e evidências

Nas aulas que dá na federação sobre espiritismo e ciência, Lisso – que é autor de três livros – se baseia, sobretudo, nas pesquisas feitas por universidades estrangeiras, que considera mais confiáveis. Lisso diz que já perdeu as contas das vezes que ouviu pessoas lhe dizendo que tinham lembranças de outras vidas, algumas, talvez, por meio das chamadas terapias de vidas passadas. “Terapias, por si só, não provam nada”, diz Lisso, referindo-se a uma prática que supostamente leva a pessoa a escarafunchar memórias tão remotas quanto as de duas, três encarnações anteriores. Os espíritas não recomendam a experiência. “Até os anos 50, flashes ou outras manifestações eram considerados distúrbios mentais”, diz Lisso. Com o tempo, ganhou eco a explicação de que muitos desses sintomas poderiam ser evidências de existências passadas.

No Brasil, um dos poucos que seguiram a linha da investigação mais científica foi Hernani Guimarães Andrade, que morreu há quase dois anos. Autor de diversos livros, entre eles Reencarnações no Brasil (O Clarim, sem data), Andrade conta o caso de uma menina paulistana, identificada apenas como Simone. Nos anos 60, quando tinha então pouco mais de 1 ano, ela começou a pronunciar palavras em italiano, sem que ninguém a tivesse ensinado. Passou também a relatar lembranças que remontavam à Segunda Guerra Mundial. Seu relato era tão vívido que familiares se renderam à idéia de que fragmentos de uma encarnação passada ainda pairavam em sua mente. A avó da menina registrou, em um diário, mais de 30 palavras em italiano pronunciadas pela neta e histórias de explosões, médicos, ferimentos e morte. As recordações pararam de jorrar quando a menina tinha por volta de 3 anos.

Mas as supostas memórias de crianças como Simone e Swarnlata não são os únicos sinais que chamam a atenção dos estudiosos. Em várias universidades ao redor do mundo, os pesquisadores passaram a examinar também marcas de nascença – associadas a lembranças – como possíveis evidências de reencarnação. O mesmo Stevenson reuniu um punhado desses casos num estudo divulgado em 1992. Segundo o levantamento feito com 210 crianças que alegavam ter lembranças de outras vidas, cerca de 35% apresentavam marcas de nascimento na pele. Em 49 casos, foi possível obter um documento médico, geralmente um laudo de necropsia, das pessoas que as crianças haviam supostamente sido em outra encarnação. A correspondência entre o ferimento que causara a morte e a marca de nascença foi considerada, no mínimo, satisfatória em 43 casos (88%), segundo Stevenson.

Um exemplo citado por ele é o de uma criança da antiga Birmânia que dizia se lembrar da vida de uma tia que morrera durante uma cirurgia para corrigir um problema cardíaco congênito. Essa menina tinha uma longa linha vertical hipopigmentada no alto do abdome. A marca correspondia à incisão cirúrgica da tia. Stevenson recorre a uma frase do escritor francês Stendhal para se referir a casos de memórias e de marcas que, às vezes, podem passar despercebidos: “Originalidade e verdade são encontradas somente nos detalhes”.

Tinta fresca
Para pesquisador, há fortes indícios de que muitas crianças conseguem se lembrar de suas vidas anteriores

O professor Jim B. Tucker, da Divisão de Estudos da Personalidade do Departamento de Psiquiatria da Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, estuda e atende casos de depressão e outros distúrbios em crianças e adolescentes. Tem especial interesse por casos de crianças que alegam ter lembranças de vidas passadas. Nesta entrevista, concedida por e-mail à SUPER, Tucker fala das características mais freqüentes desses relatos e de fatos que mais o impressionaram.



Quantos casos de crianças que alegam lembrar de vidas passadas o senhor já observou?

Temos mais de 2 500 casos registrados em nossos arquivos. Eu, pessoalmente, vi vários.

Quais são as principais características desses casos?

Os casos geralmente envolvem crianças pequenas que dizem se lembrar de uma vida passada. Elas podem descrever a vida de um membro falecido da família ou um amigo da família ou podem descrever a vida de um estranho num outro local. Outros fatos incluem marcas de nascença que combinam com os ferimentos no corpo da pessoa falecida e comportamentos que parecem ligados à vida anterior.

Há uma explicação para o fato de as lembranças ocorrerem principalmente durante a infância?

As crianças começam a fazer seus relatos numa idade precoce, logo que começam a falar. Isso faz sentido, porque parecem ser memórias que elas carregam consigo desde a vida anterior.


Quais tipos de evidências mais impressionaram o senhor?

Ainda acho que a mais forte evidência envolve declarações documentadas que alguma criança tenha feito e que se provaram verdadeiras em relação a uma pessoa que viveu a uma distância significativa. O dr. Jünger Keil (pesquisador da Universidade de Tasmânia, na Austrália) investigou um caso na Turquia no qual um garoto deu muitos detalhes sobre um homem que tinha vivido a 850 quilômetros e morrido 50 anos antes de o menino ter nascido.
possuir memórias de vidas anteriores.

Fonte: http://super.abril.com.br/cotidiano/reencarnacao-memorias-outras-vidas-445651.shtml
E tem gente que acedita que este país irá mudar...Pobres coitados.
«134

Comentários

  • 114 Comentários sorted by Votes Date Added
  • Johnny disse:A história de Swarnlata é simples. Aos 3 anos de idade, viajava com seu pai quando, de repente, apontou uma estrada que levava à cidade de Katni e pediu ao motorista que seguisse por ela até onde estava o que chamou de “minha casa”.

    et1.jpg

    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • O Percival deve ser o retardado do Niel ou então está dormindo junto. Se não tem nada útil para apontar(como o gazelinha faz), então lilmite-se a observar. Babaca!
    E tem gente que acedita que este país irá mudar...Pobres coitados.
  • Johnny disse: O Percival deve ser o retardado do Niel ou então está dormindo junto. Se não tem nada útil para apontar(como o gazelinha faz), então lilmite-se a observar. Babaca!

    Calma Johnny Test, se você passar mal ao menos o SUS pode te atender sem pegar senha e marcar consulta pro mesmo dia.

    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: Calma Johnny Test, se você passar mal ao menos o SUS pode te atender sem pegar senha e marcar consulta pro mesmo dia.

    Eu sempre uso o SUS. Ultimamente está melhor que a Unimed. É Sério!
    E tem gente que acedita que este país irá mudar...Pobres coitados.
  • Johnny disse:Eu sempre uso o SUS. Ultimamente está melhor que a Unimed. É Sério!

    Então, poupe sua saúde para esse tal de Percival e Encosto. Eles tem inveja do Espiritismo que tem base sólidas e custam a acreditar.

    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • É nessas horas que sinto a maior falta do meu emoticon com um esparadrapo na boca, hahaha.
    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • salgueiro disse: É nessas horas que sinto a maior falta do meu emoticon com um esparadrapo na boca, hahaha.

    Pode ser este?

    x-emoticon-talking.gif



    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: Pode ser este?

    Muito grande, o outro era menor mais discreto mas passava bem a mensagem, rs
    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Use este: eusa_silenced.gif

    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: Johnny disse:A história de Swarnlata é simples. Aos 3 anos de idade, viajava com seu pai quando, de repente, apontou uma estrada que levava à cidade de Katni e pediu ao motorista que seguisse por ela até onde estava o que chamou de “minha casa”.




    hahahahaha
    "Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas." (Confúcio)

    "A razão dos cães terem tantos amigos, é que movem suas caudas mais que suas línguas." (autor desconhecido)

    "Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que respeita ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta." (Albert Einstein)

    "O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade." (Albert Einstein)
  • Percival disse: Use este:

    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Johnny disse: À frente da Divisão de Estudos da Personalidade está o mais famoso pesquisador sobre o assunto, o já octogenário Ian Stevenson

    Ele foi um médico psiquiatra, ou seja, utilizava-se recursos de psicanálise e não usava metodos da neurocirurgia e nem tinha tecnologia suficiente na época para isso. Ele é contestado por muito pesquisadores hoje, inclusive em seu grupo de trabalho.
    Hoje existem pesquisas praticas que respondem a estas pesquisas medicas mentais feitas por este senhor.
    "Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas." (Confúcio)

    "A razão dos cães terem tantos amigos, é que movem suas caudas mais que suas línguas." (autor desconhecido)

    "Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, no que respeita ao universo, ainda não adquiri a certeza absoluta." (Albert Einstein)

    "O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, e sim por aquelas que permitem a maldade." (Albert Einstein)
  • Cientista1 disse: Ele foi um médico psiquiatra, ou seja, utilizava-se recursos de psicanálise e não usava metodos da neurocirurgia e nem tinha tecnologia suficiente na época para isso. Ele é contestado por muito pesquisadores hoje, inclusive em seu grupo de trabalho.
    Hoje existem pesquisas praticas que respondem a estas pesquisas medicas mentais feitas por este senhor.

    Não entendi. Até onde sei o que ele fazia era a verificação da história contada pela criança, para que precisaria ser neurocirurgião?


    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Cientista1 disse: Ele é contestado por muito pesquisadores hoje, inclusive em seu grupo de trabalho.
    Mimimi, na falta de argumentos contestamos sem provas...mimimi
    E tem gente que acedita que este país irá mudar...Pobres coitados.
  • salgueiro disse: Até onde sei o que ele fazia era a verificação da história contada pela criança.

    Crianças costumam mentir e imaginar.

    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: Crianças costumam mentir e imaginar

    Sim. Só que as histórias se mostravam verídicas inclusive nos detalhes.

    Crianças também falam a verdade.

    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Dr_WhoovesDr_Whooves Membro
    edited maio 2013 Vote Up0Vote Down
    salgueiro disse:
    Sim. Só que as histórias se mostravam verídicas inclusive nos detalhes.

    Crianças também falam a verdade.

    Aham, então acredite em tudo que uma criança disser. Engraçado que esses casos sempre são impares. Ainda mais mentes jovens costumam imitar, falar coisas que elas ouvem de seus parentes, histórias e passam a relacionar com seu universo de faz de conta.
    Post edited by Dr_Whooves on
    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: Aham, então acredite em tudo que uma criança disser. Engraçado que esses casos sempre são impares.

    Sinto muito mas desdenhar não é argumento.
    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Dr_WhoovesDr_Whooves Membro
    edited maio 2013 Vote Up0Vote Down
    Eu sei, por isso que eu editei meu comentário anterior.

    As crianças não tem discernimento ainda para dizer: "Isto é uma obra de ficção, qualquer coisa que relacione com fatos e acontecimentos é mera coincidência" como as Novelas.

    Post edited by Dr_Whooves on
    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: Ainda mais mentes jovens costumam imitar, falar coisas que elas ouvem de seus parentes, histórias e passam a relacionar com seu universo de faz de conta

    A única forma de se saber em qual categoria a história se encaixa é através da investigação, o que era feito. Partir do princípio que o pesquisador não pensou nessas hipóteses, desculpe mas é não conhecer o trabalho dele.
    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Percival disse: Crianças costumam mentir e imaginar.

    A documentação que ele levantou confirmava o ocorrido.
    E tem gente que acedita que este país irá mudar...Pobres coitados.
  • salgueiro disse: Não entendi. Até onde sei o que ele fazia era a verificação da história contada pela criança, para que precisaria ser neurocirurgião?

    Para verificar in loco se a história estava impressa nos neurônios. :)
    O ateísmo é uma consequência em mim, não uma militância sistemática.
    '' O homem sábio molda a sí mesmo, os tolos só vivem para morrer.'' (O Messias de Duna - F.Herbert)
  • salgueirosalgueiro Membro
    edited maio 2013 Vote Up0Vote Down
    Marcio disse: Para verificar in loco se a história estava impressa nos neurônios.

    Fiquei com a impressão que ele não leu o texto e achou que se falava das experiëncias de quase morte, só pode.
    Post edited by salgueiro on
    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Dr_WhoovesDr_Whooves Membro
    edited maio 2013 Vote Up0Vote Down
    Johnny disse: A documentação que ele levantou confirmava o ocorrido.

    Se uma novela tem um personagem cujo tem a história e fatos iguais a alguém ou parente seu se trata de uma obra psicografada? Quantas chances eu tenho de contar ou relatar algo que bata com uma pessoa morta e sua suposta reencarnação? Por que é mais fácil achar a reencarnação de Elizabeth II do que a do seu Manoel da Padaria?

    Post edited by Dr_Whooves on
    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Dr_WhoovesDr_Whooves Membro
    edited maio 2013 Vote Up0Vote Down
    salgueiro disse:A única forma de se saber em qual categoria a história se encaixa é através da investigação, o que era feito. Partir do princípio que o pesquisador não pensou nessas hipóteses, desculpe mas é não conhecer o trabalho dele.

    Ou seja aqui estão os fatos, eles se parecem com o que aconteceu ou realmente são o que aconteceu, ou se trata de peças aleatória sendo forçadas a encaixar no quebra cabeça? Só vejo o ouvi dizer e histórias que batem em alguns aspectos.

    Agora crianças vêem tudo, até Nossa Senhora.



    Post edited by Dr_Whooves on
    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Sei lá viu! Stevenson parece ter sido um pesquisador sério, tanto que "O astrofísico e divulgador da Ciência Carl Sagan expressou que o trabalho deste psiquiatra era um dos poucos estudos sobre um fenómeno paranormal que merecia ser analisado".

    É bem melhor do que fotos de gazes saindo das bocas de médiuns, ou fantasminhas de pano.
    O ateísmo é uma consequência em mim, não uma militância sistemática.
    '' O homem sábio molda a sí mesmo, os tolos só vivem para morrer.'' (O Messias de Duna - F.Herbert)
  • Percival disse: Ou seja aqui estão os fatos, eles se parecem com o que aconteceu ou realmente são o que aconteceu, ou se trata de peças aleatória sendo forçadas a encaixar no quebra cabeça? Só vejo o ouvi dizer e histórias que batem em alguns aspectos.

    Agora crianças vêem tudo, até Nossa Senhora

    Ou seja, analise o trabalho do pesquisador e assim sim, críticas embasadas são válidas.

    O 'não conheço mas não pode ter sido feito direito porque se fosse feito direito tudo se provaria falso' não é argumento.

    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
  • Dr_WhoovesDr_Whooves Membro
    edited maio 2013 Vote Up0Vote Down
    salgueiro disse: Ou seja, analise o trabalho do pesquisador e assim sim, críticas embasadas são válidas.

    O 'não conheço mas não pode ter sido feito direito porque se fosse feito direito tudo se provaria falso' não é argumento.

    O argumento fica no universo da criança e o que ela diz e faz, mas não se sabe o porque que faz se ela viu de algum lugar, copiou etc... Fica essa incognita.

    E confiar demais numa criança pode ser um revés. Minha avó já me dizia: "Quem brinca com criança amanhece mijado".

    Não falseei nada, somente vejo muita inconsistencia nessas pesquisas nesse ramo paranormal. Quando eu era espírita me impressionava, hoje não me enche os olhos até porque se eu paro para analisar bem vejo as pontas soltas.



    Post edited by Dr_Whooves on
    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Marcio disse: Sei lá viu! Stevenson parece ter sido um pesquisador sério, tanto que "O astrofísico e divulgador da Ciência Carl Sagan expressou que o trabalho deste psiquiatra era um dos poucos estudos sobre um fenómeno paranormal que merecia ser analisado".

    É aquela coisa nê: a gente vê o troço parece ter sentido e talz, mas a gente olha aqui ali tem um ponta solta.




    Marcio disse: É bem melhor do que fotos de gazes saindo das bocas de médiuns, ou fantasminhas de pano.

    Muito melhor, ao menos aparentemente.

    Buscando Meu Verdadeiro Eu

    Estamos vivendo nossa vida/Afogados em tanta informação/Vamos lá, deixe ir o que é remoto/Você não sabe que estará deixando fluir um monte de porcaria?/Eu tento fazer o fluxo parar, clicando duas vezes no botao de "ir"
    Mas não adianta; hey, estou sendo consumido/Carregando...Carregando...Carregando.../Rápidamente atingindo a capacidade maxima/Atenção...Atenção...Atenção!/Vai dar curto-circuito na minha identidade/Levante-se, demula as paredes/Tenha um vislumbre do mundo oco/Bisbilhotar a região não vai te levar a nada/Você está aprisionado em sua mente.../Estamos todos presos em um labirinto de relacionamentos/A vida continua com ou sem você/Nado no oceano da inconciência/Procuro seu coração, buscando meu verdadeiro eu.
  • Percival disse: O argumento fica no universo da criança e o que ela diz e faz, mas não se sabe o porque que faz se ela viu de algum lugar, copiou etc... Fica essa incognita.

    E confiar demais numa criança pode ser um revés. Minha avó já me dizia: "Quem brinca com criança amanhece mijado".

    Incógnita seria se não pudesse ser rastreada, vc continua aferrado a idéia de que qualquer hipótese vale desde que se prove a impossibilidade de uma criança ter sim memórias de uma vida passada.

    "Um homem é rico na proporção do número de coisas de que ele é capaz de abrir mão." Thoreau
Entre ou Registre-se para fazer um comentário.